Formação na era da informação. Desafios para uma escola moderna.


Não é novidade para ninguém que no mundo em que vivemos, a quantidade de dados e informações aumenta de modo avassalador. Observe o gráfico a seguir:

Uma imagem contendo texto, mapa

Descrição gerada automaticamente

O gráfico relaciona a quantidade de dados digitais existentes com os respectivos anos (de 2009 a 2020). A quantidade de dados está medida em exabytes. Cada exabyte vale 1 quintilhão de bytes, ou seja 1 000 000 000 000 000 000 (um seguido de dezoito zeros) de dados! Somente no período de 2010 a 2020 essa quantidade cresceu cinquenta vezes! Assim, se há alguns anos a questão central era ter acesso à informação, hoje vivemos o problema da seleção e organização dessa informação. 

Essa questão vem afetando a vida de toda a comunidade escolar – professores, alunos, pais e direção. Hoje um dos papéis mais relevantes da escola é justamente o de ensinar seus alunos a selecionar e organizar as informações. Para tanto ela deve cumprir sua missão intrínseca que é a de ser formadora de alunos.

Os conceitos de formação e informação não são totalmente claros para todas as pessoas e inclusive são comumente confundidos. Informação, atualmente, está plenamente disponível a todos. Praticamente não existe um único tema sobre o qual o “grande oráculo Google” não saiba discorrer, mesmo que seja de maneira rasa. Mas o que fazer com essa informação? Como selecionar o que é relevante? Como organizá-la? Como descobrir se são “fake news”? 

Se fosse tão simples, seríamos especialistas nos mais variados assuntos, apenas acessando os conteúdos disponíveis na internet. Mas a coisa não é simples assim. Aí entra o papel da formação.

Formar é mais do que informar. Formar envolve dar bases sólidas de leitura e interpretação de texto, para que a pessoa possa compreender o que lê e a partir dessa leitura tirar suas próprias conclusões e posicionamentos. Formar é dar uma base sólida de matemática, para que o aluno possa construir raciocínios lógicos que serão importantes em qualquer atividade em que resolva se envolver. Formar significa ter uma boa noção das Ciências Humanas e da Natureza, para que tenha repertório cultural suficiente para exercer sua cidadania de forma plena. Conhecer línguas estrangeiras importantes, como o inglês e o espanhol, entre outras, é parte da formação e vai permitir ao aluno se sentir mais pertencente ao mundo globalizado em que vivemos e certamente abrirá inúmeras oportunidades em sua vida. Formar envolve também trabalhar valores morais e criar vínculos. Envolve tornar o aluno cada vez mais autônomo e protagonista de seus caminhos. Formar é muito mais, portanto, do que apenas informar.

Tudo isso que foi citado vai ajudar o aluno no processo de selecionar informações ao longo da sua vida. Assim, para selecionar bem o conteúdo, é preciso ter boa formação. Agora, com relação ao como organizar as informações, cabe aos professores serem os capitães dessa nau. Felizmente, hoje temos à disposição muitas ferramentas digitais, que podem ajudar muito nessa missão. Gostaria de falar um pouco sobre a que usamos no Colégio Novo Pátio: o Google Classroom.

Trata-se de uma plataforma digital educacional na qual os professores podem fazer a gestão das atividades escolares. Nela é possível fazer o “diário de bordo” do curso, postando conteúdos nos mais diferentes formatos (textos, músicas, videoaulas etc.), colocando os temas trabalhados nas aulas, as datas de provas, passar tarefas e lições de casa (até com possibilidade de autocorreção), montar tópicos para discussão em grupo, entre outras funcionalidades. Os pais podem ter acesso à ferramenta também se for de sua vontade. A plataforma tem uma interface bastante amigável, de fácil acesso e compreensão, podendo ser acessada por um computador, tablet ou mesmo um celular. À medida em que o aluno se habitua com a ferramenta, ele também trabalha a sua autonomia. 

O professor que organiza bem seu curso facilita enormemente a sua vida e a de todas as outras partes envolvidas no processo escolar. Uma boa organização ajuda a gerar empatia e serve de inspiração e modelo na formação de seus alunos. 

Reunir todas essas qualidades: a excelência na formação para proporcionar discernimento aos alunos na hora de selecionar informações, com os recursos tecnológicos e humanos que ajudam a organizálas, são grandes desafios para as escolas do século XXI. Isso é o que procuramos fazer na nossa escola, o Colégio Novo Pátio. Uma escola que se preocupa com conteúdo, com o ENEM, com vestibulares, com metodologias ativas e novas tecnologias; e que ao mesmo tempo possui um caráter humanista proporcionando uma sólida e ampla formação a seus alunos, jamais esquecendo-se o que eles são na essência: seres humanos.

Cláudio Behr – Professor de Matemática do Colégio Novo Pátio